O Mercado e a Copa do Mundo de Futebol

Em minhas viagens, pude notar clientes com receio de comprar, medo que a Copa do Mundo irá alterar quando e como as pessoas irão comprar no comércio, como se ela fosse um verdadeiro Bicho Papão da economia. Pude ver lojas com movimento fraquíssimo e algumas com clientes na loja comprando e o telefone não parava de tocar.

Com certeza pode-se afirmar que mesmo que algumas pessoas estejam adiando suas compras, elas vão comprar uma hora ou outra, e quem estiver preparado, com um belo Show Room, com peças à pronta entrega e preços compatíveis irá vender.

O medo de comprar está somente na cabeça das pessoas, apesar do Brasil ser o país do futebol, teremos uma porcentagem mínima de pessoas que deixarão de comprar algum bem durável (móveis, carros, etc) para poder ir à algum jogo de nossa seleção ou a de outro país. Inclusive, pode-se dizer que as pessoas irão se reunir no conforto de suas casas para receber seus parentes, amigos e colegas, para curtir uma partida de futebol, sentado num belo sofá, aproveitando o friozinho do inverno, com os pés num tapete confortável e aconchegante, comendo pizza, pipoca ou um churrasco, tomando um bom vinho ou uma cerveja.

E quem não gosta de futebol, ou ainda quem é totalmente indiferente à este cenário futebolístico, muito menos a Copa os afetará no aspecto de consumo.

Resumindo a história, nosso país estará em festa para alguns ou em luto para outros, porém o comércio não para, as pessoas continuam suas vidas, continuam casando, construindo seus novos lares, constituindo famílias, e o medo de gastar (equilibradamente) está pairando no ar, e que fique no ar mesmo, bem alto em alguma nuvem que se desfaça com o vento.

Boa Copa e boas compras à todos!

copa-do-mundo-brasil-2014

 

 

 

 

Rodrigo Arcenio Schwinden

Gerente comercial da Trassus Tapetes no Brasil.

 

Tapetes reduzem alergias.

Tapetes e carpetes são uma opção de revestimento muito popular.
Entretanto, estes artigos geralmente estão associados a alguns rumores e dúvidas, principalmente no tocante a alergias. A preocupação não é à toa: de acordo com dados da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia, cerca de 30% da população do Brasil possui algum tipo de reação alérgica, o que equivale a mais de 50 milhões de pessoas. Mas, segundo o Carpet and Rug Institute (CRI), situado nos Estados Unidos, tapetes
e carpetes não são os vilões das alergias e podem ser uma solução viável e benéfica a todos.

A afirmação do CRI é baseada em estudos realizados ao redor do mundo. Na Suécia, por exemplo, resultados de uma pesquisa apontaram que o uso de tapetes e carpetes diminuiu 70% no país ao longo de 15 anos. No mesmo período, o índice de reações alérgicas na população aumentou 30%, fato que sugere que não há ligação alguma entre o uso de tapetes e carpetes a alergias e ataques de asma. Outro estudo realizado com mais de 20 mil pessoas em dezoito nações indica que a utilização deste tipo de  revestimento em quartos está associada à redução de asma e bronquite. No mesmo sentido, pesquisa desenvolvida em New Jersey (EUA) com 4,6 mil crianças em idade escolar sugere que ter tapete ou carpete no quarto está associado à maior assiduidade nas aulas e menor necessidade de medicações.

Então, se tapetes e carpetes não estão contribuindo para problemas de
alergia e asma, como eles ajudam as pessoas naquelas condições? A resposta é simples: eles atuam como um filtro, como uma armadilha para alérgenos, que vão desde pelos de animais de estimação, poeira e ácaros até pólen de flores, mantendo as partículas fora do ar. Uma vez presos, estes alérgenos podem ser facilmente removidos por meio de técnicas apropriadas de limpeza.

Fonte: http://www.abricbrasil.com.br/adm/?noticia=62